Tudo começou à seis anos | O cancro


2007
 Tudo começou num verão, bem quente. Tinha eu apenas 12 anos, ainda era uma criança, mas vivi cada momento como se tivesse 15. 
O meu pai é super branquinho e tem vários sinais, especialmente nas costas. No seu trabalho é cozinheiro e tem que se expor a temperaturas muito altas, mas também muito baixas das arcas congeladoras. Houve um dia em que entrou na arca e por acidente, uma das barras de plástico acerta-lhe nas costas e faz com que um sinal "rebente". Talvez tenha sido isso, que nos fez alertar para o problema que ai se avizinhava. Consultámos a medica de família e esta encaminhou-nos para o Hospital Egas Moniz, e lá foi operado para retirar aquele sinal e para uma simples biopsia. Essa simples biopsia veio com resultado positivo: Cancro maligno - Melanoma. Fomos automaticamente encaminhados para o IPO de Lisboa, para uma consulta de dermatologia. As consultas passaram e por ai ficou. Fizeram um despiste das células cancerígenas, e elas deram sinal para o lado direito do braço. Fizeram exames aos gânglios por de baixo dos braços, e disseram que tinham retirado toda a massa cancerígena. 
O problema por ai acabou. Mas os cuidados ficaram. A praia era reduzida, mas sempre que íamos, o protector era o nosso melhor amigo. 

2011
 No mês de Novembro de 2011, o meu pai começou com muitas dores de cabeça, com falta de força no braço esquerdo e até um dia em que perdeu totalmente as forças na perna esquerda. No dia a seguir dirigiu-se ao Hospital de Cascais com a minha mãe e lá fizeram-lhe o seguinte diagnóstico: Stress. Receitaram-lhe uns comprimidos para dormir e já está, vá-se embora. Claro que as dores de cabeça continuavam e o meu pai voltou lá, desta vez com o meu namorado. Desta vez já não saiu de lá, o diagnostico era bem pior do que stress: cancro cerebral. Como é possível confundirem stress com um cancro?! Foi automaticamente transferido para o São Francisco Xavier, onde ficou em observação no SO, e transferido no dia seguinte para o Egas Moniz para ser operado. A operação foi, sensivelmente, quinze dias depois e retiraram tudo, diziam os médicos. A operação demorou 7 horas. Após a recuperação, em Janeiro fez algumas sessões de radioterapia, para exterminar o cancro. Por volta do mês de Abril, o meu pai começou a trabalhar.
2013- Janeiro
 Para começar bem este ano, a doença voltou. Mas desta vez os sintomas não foram nada concretos. Era só indisposição. A minha mãe foi directamente com ele para o IPO, e depois de 8 horas de espera, lá lhe disseram que era outro tumor. Desta vez as noticias não foram as melhores, nunca são, mas a médica desta vez disse em privado que o cancro desta vez era muito mau, e que não sabia se iam operar e para nos preparar para o pior. As noticias foram horríveis, só me apeteceu desaparecer para não viver isto. Dois dias a seguir o cirurgião disse que o cancro não era "assim tão mau" e que iam operar. E que não era assim tão urgente. Demorou uma semana para ser operado. a operação demorou mais ou menos o mesmo tempo da outra, 7 horas. Na hora da visita fui a primeira a ir vê-lo aos cuidados intensivos, e foi a melhor sensação vê-lo lá ao fundo a levantar o braço para mim, com o objetivo de dizer "estou aqui", parecia que não tinha sido operado. A recuperação foi lenta, mas boa. Pergunta-mos por tratamentos e disseram que já tinham feito radioterapia e que já não podia ser feita outra vez. e que tinham retirado tudo. Pois também disseram isso da primeira e segunda vez, e houve uma terceira ...
2013 - Maio
 Não sei exactamente o dia em que o meu pai, por acidente bateu com a cabeça no exaustor do trabalho e ficou um pouco tonto. Não quisemos deixar isso para outro dia e a minha mãe foi logo com ele para o IPO. Fez analises e quiseram fazer um TAC para que pudessem ver se não fez nenhum traumatismo. Como no IPO não tinham vaga, foram para o São Francisco Xavier e lá souberam o resultado, que não era nenhum traumatismo, mas sim sequelas do cancro anterior e desta vez estava um pouco mais para a frente e um pouco mais para trás. O cirurgião disse que era operável e que queria uma ressonância para ver melhor. Após ver a ressonância deu-nos as más noticias: já não pode ser operado. E ainda não sabemos se pode fazer tratamentos (nem quero imaginar se não pode, não estou preparada ... ) 
Desta vez o cancro está a afetar muito os músculos na parte esquerda, devido ao cancro estar no hemisfério direito. Desde sábado que não anda sozinho, e que não tem forças nenhumas no braço. Nos primeiros dias foram muito difíceis, visto que a minha casa são só escadas. Entrada - escadas - sala - escadas - wc - escadas - quartos, ou seja, é dificílimo para nós carregarmos o meu pai pelas escadas. Tentamos por duas vezes que o internassem (a pedido dele), para que pudesse descansar a cabeça e não estar sempre nestas mudanças. Na sexta decidimos fazer uma cama na sala, de onde ele não saia, e não tenha que subir e descer escadas de rabo. Compramos um urinol para ele fazer as necessidades. Está a tomar uma quantidade de medicamentos, para que os edemas e as hemorragias provocadas pelo cancro. Só passaram 4 dias de medicação, mas o avanços ainda não foram visíveis. 
 Isto está a ser super difícil para nós, está a matar-nos por dentro pensarmos na possibilidade de o perder, de o perder já. Não estou preparada, não estou!!  
Agora tenho que esperar até quarta para saber o que os médicos vão decidir. Não quero que me cortem as pernas na quarta, não quero !! 

Terça-Feira - 11/06/2013
 Hoje foi o primeiro dia de assistência médica. Apesar dos dias começarem cedo e acabarem muito tarde para mim, eu tenho me aguentado, mesmo que pareça uma zombie de manhã. Sinceramente não sabia o que pensar das assistentes, mas gostei delas a partir do momento em que entraram em minha casa, olharam para todos e perguntaram "onde está o senhor doente?", não sei se foi com a intenção  do meu pai não se sentir doente, mas a verdade é que resultou, ele sentiu-se bem por não parecer doente. Elas amanharam-se super bem, deram-lhe banho "à gata" como o meu pai chama, meteram-lhe creme, desodorizante e vestiram-no com o pijaminha. Foram super simpáticas e atenciosas. Fizeram o meu pai rir-se o tempo todo e pensar positivo em relação à doença. 
 É já amanha que vamos ao médico. Amanha o meu dia começa às 06h00 da manhã !
Quarta-Feira - 12/06/2013 
 O dia começou bem cedo, às 06h00. Ás 07h00 a ambulância estava à nossa porta para nos levar ao IPO de Lisboa. Chegamos lá só as 8h45, porque tivemos que ir buscar mais duas doentes. Mal cheguei fui buscar uma cadeira de rodas e dirigi-me para o quiosque das analises e só faltavam 30 números, o que vale é só demorou 15 minutos para sermos chamados. A consulta com a DrªAna estava marcada para as 11h, mas só fomos chamados lá para o meio dia. Entretanto fui dando de comer ao meu pai, que ainda estava em jejum. O IPO tem uma coisa óptima, que andam sempre lá umas senhoras a distribuir chá, café, leite com café e bolachinhas. Para alem de ser uma excelente ideia, também animam muito os doentes que às vezes estam sozinhos lá. Sempre que vou lá impressiono-me, mesmo já estando habituada a ir lá varias vezes. Custa-me que tanta gente tenha esta doença horrivel, ninguém merecia estar a passar por isto, a passar por todos aqueles tratamentos e por todo este sofrimento. Lá entramos para a consulta e a médica lá fez as mil e uma perguntas. Disse que o caso era complicado, visto ser no cérebro, mas que ia fazer quimioterapia. Mandou fazer um electrocardiograma, para ter a certeza que o meu pai não está com epilepsia muscular. Disse para aguardar na sala que já me chamava em privado. Esperei coisa de 30 minutos e lá entrei. Fiquei a saber que a probabilidade da quimioterapia resultar eram poucas, mas que ainda havia esperanças. Isto tudo é para que o meu pai tenho uma vida com a melhor qualidade de vida, porque esta doença já não vai embora, é cronica, é um melanoma!  Deu-me imensas receitas e mandou-me ir avia-las na farmácia do IPO. Lá fui eu, e tenho vos a dizer que as condições são optimas, tem uma sala de espera fantástica e acolhedora e as farmacêuticas explicam tudo tudinho. Estava tudo tratado por aquele dia e só tinha que chamar a TransVida para nos vir trazer a casa. Infelizmente tivemos que esperar 2horas por uma ambulância e o meu pai ficou muito impaciente e farto de estar sentado na cadeira, já lá estava desde as 7h da manhã, e eram 17h quando chegamos a casa. Não sei se é bom ou mau, mas a próxima consulta é no meu dia de anos! A melhor prenda era o meu pai melhorar e que a doença regredisse!!
Quinta-Feira - 13/06/2013 
 Era o primeiro dia de quimioterapia em casa, à base de comprimidos - 5 comprimidos. Eram 8h da manhã quando os tomou e os efeitos começaram logo a aparecer, as náuseas e o sono constante. Foi uma manhã horrivel para ele, não estava bem em circunstancia alguma. Ainda por cima era o aniversário da minha mãe e tínhamos combinado fazer uma festinha pequenina. Montamos tudo e até o trouxemos para a mesa. Mas como está à base de cortisona, a médica aconselhou uma dietazinha. Verdade seja dita que foi muito difícil não deixa-lo comer tudo. Por ele comia três fatias de bolo, uns quantos folhados e muitas tostas com patê. Tivemos que o tirar da mesa, para controlar a dieta! As náuseas passaram a partir das 13h, mas o sono continuou. 
Sexta-Feira - 14/06/2013 
 Isto que acordar todos os dias às 8h da manhã e dormir poucas horas não dá com nada, o que resulta numa sesta à tarde. Hoje, felizmente, a quimioterapia não manifestou sinais nenhuns e as mudanças de humor já estão bem melhores. Troquei e-mail's com a DrªAna e ela disse me que ainda à mais dois tratamentos, a serem estudados, um caso resulte a quimioterapia e outro caso não resulte. Ou seja, as esperanças aumentaram um bocadinho mais.


Vou actualizando este post sobre esta doença horrível que aterrou na minha família. Apesar de tudo, apesar de ser mau, só nos une ainda mais! 

11 comentários:

  1. No meu curso eu estudei isso , e sempre me avisaram para que se houvesse uma alternância ou algo do género num sinal para irmos rapidamente ao medico ... Dou-te todas as forças possíveis e existentes para que tudo corra bem e claro que vai correr !


    Beijoo , Helena

    http://fashionpaley.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Querida!

      Pois é, agora sim dou importância aos sinais, mas sobretudo ao sol e aos ditos escaldões. Foi graças à irresponsabilidade do meu pai, em relação ao sol e aos escaldões, que esta doença o atacou.

      Beijinhos

      Eliminar
  2. Nem sei que dizer :(
    Só quem passa mesmo por isso sabe a agonia e a impotência que sentimos...
    Apenas te posso desejar muita muita força!
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Querida !

      A vossa força é a minha força, e dai eu escrever este post.
      Quero partilhar isto convosco, mas também alertar-vos para a precaução e a prevenção do cancro.

      beijinhos!!

      Eliminar
  3. Nem sei o que dizer! Eu espero que tudo dê certo e que os médicos com a mão de DEUS possam vir com uma solução se assim for a vontade do Pai. Te desejo muita força!

    ResponderEliminar
  4. Muita força. Passei pelo mesmo com o meu pai.
    http://fashionfauxpas-mintjulep.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada querida :)
      Como foi?

      beijinhos

      Eliminar
  5. Muita força e fé moça, Deus tem um proposito para tudo na vida e creio que as coisas vão melhorar. Jamais perca a esperança!

    Muita luz e positividade.
    Beijos:**
    cheirodeflormanaus.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  6. Este post comoveu-me... Espero que as coisas melhorem e que tenhas muita força para enfrentar tudo o que vier, como tem acontecido até agora.
    Eu sei que não nos conhecemos mas se precisares de alguma coisa diz!
    Beijinhos

    ResponderEliminar